terça-feira, 25 de novembro de 2014

MANOEL DE BARROS


Sempre  foi grande minha admiração pelo nosso poeta
mato-grossense  Manoel de Barros , falecido há 12 dias . 
Estava  com 97 anos  e , nas palavras  de sua neta ,
 Joana de Barros :
" Ele  estava muito debilitado , muito  velhinho .
Ele descansou .  Ele virou passarinho ".

Seleciono trecho ,que gosto bastante, do seu
livro " Memórias  Inventadas- A Infância ".

" Eu tenho um ermo enorme dentro do olho .
Por motivo do ermo  não fui um menino peralta .
Agora tenho saudade do que não fui .
Acho que o que faço agora é o que não pude
fazer na infância .
Faço outro tipo de paraltagem .
Quando eu era criança devia pular muro 
do vizinho  para catar goiaba .
Mas  não havia vizinho .
Em vez de peraltagem eu fazia solidão .
Brincava de fingir que pedra era lagarto .
Que lata era navio .
Que sabugo  era um serzinho mal resolvido
e igual a um filhote de gafanhoto .
Cresci brincando no chão , entre formigas .
De uma infância livre e sem comparamentos .
Eu tinha mais comunhão com as coisas que
comparação . Porque se a gente fala  a partir
de ser criança , a gente faz comunhão :
de um orvalho e sua aranha , de uma tarde 
e suas garças , de um pássaro  e sua árvore .
Então eu trago de minhas raízes crianceiras 
a visão comungante e oblíqua das coisas .
Eu sei dizer  sem pudor que o escuro me ilumina .
É  um paradoxo   que ajuda a poesia e eu falo
sem pudor .
Eu tenho que esta visão oblíqua  vem de eu 
ter sido criança em algum lugar perdido
onde havia transfusão da natureza e 
comunhão com ela .
Era o menino e os bichinhos .
Era o menino e o sol .
O menino e o rio .
Era o menino e as árvores ."

Som  na  caixa ...





26 comentários:

  1. Linda homenagem e não conheço quem dele não gostasse! bjs,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade , Chica . Todos gostam do poeta . Obrigada por vir . Beijos .

      Excluir
  2. Muito bom! Nossa literatura cada vez mais órfã... felizmente a obra fica. beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim , Carlos . O poeta fica impregnado na sua obra . Beijos

      Excluir
  3. Ai Marisa, sou suspeita para falar, ele é um dos meus autores favoritos, gosto simplesmente de tudo o que ele escreveu!
    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristiane , mais uma afinidade entre nós . Beijos

      Excluir
  4. Respostas
    1. O texto é bonito mesmo , Nádia . Obrigada pela visita . Beijos .

      Excluir
  5. Tão cândido este poema...
    Não conheço. Infelizmente. Tanta gente a escrever tão bem e este sentimento de alguma tristeza pela impossibilidade de conhecer o seu mundo poético.
    Valem estas partilhas!
    Meu bjo, Marisa :)

    ResponderExcluir
  6. Odete , é gratificante poder apresentar um poeta brasileiro tão especial como Manoel de Barros à uma amiga amante de literatura de nosso pais irmão , Portugal . Beijos .

    ResponderExcluir
  7. Olá. Marisa Giglio
    Bom tudo.

    Vim, desejar-te, um fim de semana, bem bom.
    Muita Paz. Desejos de alegria. Certeza sim, que independente da tua religiosidade, o Criador, está sempre de plantão, olhando por mim e por ti, e nos convidando, a refletir sempre, que o melhor do mundo, somos nós, os seres humanos. Por isso, somos humanos e, criados, à sua semelhança.
    Dito isto, te convido a vim " cumê' um "manuê" cá no meu blogue.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço seus desejos , José Mariá .
      Seu blog é sempre por mim visitado .
      Muito bom , aliás .
      Beijos

      Excluir
  8. Boa noite Marisa,
    A comunhão da criança, que já era poeta, com a natureza.
    A maneira de falar mostra uma inocência gostosa, sem medo de a ser. Emociona.
    Obrigada por nos trazer este "pedacinho de céu" para recordarmos o poeta.
    bj amg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carmem , o poeta gosta de fazer peraltagem com as palavras . Desarrumá-las , desinstalar significados , deslocar o cotidiano e encontrar o inesperado , não é mesmo ? Ele nos encanta ao nos mostrar que todos possuímos uma raiz " crianceira " plantada em nosso ser . Obrigada pela visita . Beijos

      Excluir
  9. Obrigada pelo carinho pelo niver.bjs, tuuuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mais uma vez , parabéns pelo aniversário ,Chica . Beijos

      Excluir
  10. Uma bela homenagem a um grande poeta com uma vida de quase um século. Infelizmente pouco conheço de Manoel de Barros, e este poema tão direccionado para a infância é muito comovente. Parece que o autor conseguiu guardar para sempre esse menino dentro de si nessa comunhão com a natureza.
    Gostei muito, e tenho que procurar conhecê-lo melhor.
    O video também é muito bom.
    xx

    ResponderExcluir
  11. Laura , faço minhas as palavras de Mia Couto que fez o poema " Um abraço para Manoel " : " Manoel de Barros era um filósofo que pensava o mundo através da poesia ." Fico contente com sua aprovação do poema e da música . Obrigada por vir me visitar . Beijos

    ResponderExcluir
  12. O poeta se eterniza na poesia que fica para reflexões de muitos. Quando ele diz: eu trago em minhas raízes crianceiras... nos diz como esta base da infância é importante para na vida de cada pessoa. O não alicerce nesta fase da vida resulta no quadro que vemos hoje na sociedade. Parabéns pela homenagem. Fiquei seguidora do seu blog.

    ResponderExcluir
  13. Edith , muito me alegra sua companhia . Obrigada . Venha sempre . Beijos

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde, poeta perfeito, transporta e transborda o menino que sempre foi sem rodeios ou receios.
    AG

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim mesmo , António . Obrigada pela visita . Abraços .

      Excluir
  15. Marisa,
    Encanto-me sempre com as suas escolhas, fruto duma sensibilidade ímpar, e Manoel de Barros vem mesmo a calhar: uma alma que flutua, flutua eternamente...

    Beijo :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. AC , fico muito feliz com suas carinhosas palavras . Também reconheço na escrita de Manoel de Barros a fluidez da vida . Beijos

      Excluir
  16. Me afastei por poucos dias, mas acho que não perdi muito. Claro que perder Manoel de Barros é uma perda irreparável, mas ele nos deixou antes do meu recesso.
    Desde meados do século passado que Manoel de Barros se inscreve na literatura como uma das dicções mais singulares. Cada livro de Manoel de Barros é uma lição de vida.
    Desde Poemas concebidos sem pecado de 1937 até Por quem vibram os tambores do além? de 2013, que é o mais recente, MB se revelou um exímio contador de histórias.
    É para ser lido um poema por dia de Manoel Barros e guardá-lo para sempre.
    Beijos, Marisa!

    ResponderExcluir
  17. José Carlos , estava sentindo sua falta . Bom que veio . Seu comentário é sempre uma lição . Obrigada . Beijos

    ResponderExcluir