domingo, 17 de agosto de 2014

POEMA DE HOJE ...

photo net 

" Tenho  arrumado  os   livros .
Tiro de uma prateleira  sem ordem  e coloco em outra 
com ordem . Ficam  espaços vazios .
Hora  em  hora . 
Não tenho te dito nada .
Ligo para os outros .
O que  eu poderia dizer é perigoso : certeza 
(  assim como eu disse : daqui dez anos estarei de volta )
de que nos reencontramos , cedo ou tarde .
Mas não sei mais quando .

Cedo ou tarde reencontro - o ponto
de partida . "

Ana Cristina César 
in , Poética .

Som  na  caixa ...


25 comentários:

  1. Lindo poema da Ana Cristina, e lindo vídeo. Parabéns pela escolha.
    Beijo*
    Renata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço a visita e fico alegre que tenha gostado do post , Renata . Beijos

      Excluir
  2. A vida: encontros, desencontros, reencontros; lugares que se desocupam e outros que se ocupam.
    Importante é ter "motivo" para se estar bem com a vida.
    Boas escolhas, Marisa :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudade de você e de seus comentários tão precisos , Odete . Muito obrigada , sempre . Beijos

      Excluir
  3. Muito lindo.Gostei de ler!" bjs, ótima semana,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom ter aprovado , Chica . Retribuo os votos de boa semana . Beijos

      Excluir
  4. Oi Marisa. Hoje mesmo estava lendo "Soneto" de Ana Cristina César. Agradeço por também encontrá-la aqui. beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Afinidade presente , Milene . Agradeço sua vinda . Beijos

      Excluir
  5. Gostei de ler e de ouvir, agradeço.


    Feliz semana, Marisa....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito gratificante saber , São . Feliz semana para você , também . Beijos

      Excluir
  6. Por mais que se tente pôr ordem e arrumar, quando falta algo, sempre haverá lugares vazios. E por mais que se tente o reencontro, pode levar muito tempo, ou quem sabe , nunca chegar a acontecer. A inquietante incerteza!
    Um belo poema, e uma bela música da Adriana, sempre muito acarinhada em Portugal.
    Gostei, Marisa!
    xx

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Laura , também gosto do poema e a Adriana Calcanhoto , nas entrevistas que concede , nunca deixa de falar em Portugal . Aliás , não há quem não goste de seu país . Igualmente , a terra em que nasceu uma de minhas avós e bisavó . Beijos e obrigada pela visita .

      Excluir
  7. A vida é feita das incertezas que queremos vestir de certezas.

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Estive desterrado por uns dias. E agora na companhia tua e na de Ana Cristina César, mas sem as chaves para desvendar os mistérios das certezas. Mas encontrando a palavra afirmando sua capacidade criadora e o silêncio dela decorrente. Através desse encontro se ouve a voz do sujeito que se interroga para encontrar-se consigo mesmo. Um belo poema!
    Beijos, Marisa!

    ResponderExcluir
  10. Sua ausência me preocupava , José Carlos . Seus comentários, precisos e generosos , são sempre esperados neste espaço . Obrigada . Beijos .

    ResponderExcluir
  11. Olá, boa noite.

    Mesmo com esta correria do tempo, encontrei tempo, para passar aqui e desejar-te, uma noite maravilhosa de Sexta Feira.
    Se quisermos, tudo pode-se, realizar
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quanta delicadeza , José Mariá ! Agradeço muito. Bom final de semana . Beijos .

      Excluir
  12. Olá, Marisa
    Ana Cristina César
    despedidas nos levam a sentir saudade, e criam em nós um sentimento de incerteza que podem ser eternos.Podemos até deixar um espaço vazio, à ser novamente preenchido,mas, infelizmente, não cabe somente a nós a possibilidade de um reencontro...
    Boa noite, Obrigado pelo carinho,belo final de semana,beijos !

    ResponderExcluir
  13. Felisberto , obrigada por somar , com sua sensível visão o poema publicado . Retribuo os votos de belo final de semana . Beijos

    ResponderExcluir