domingo, 11 de novembro de 2012

CAIO FERNANDO ABREU

Diego Fernandez
 
(....)
"  Já  li  tudo  ,  cara ,
 já tentei macrobiótica  psicanálise  drogas
  acupuntura  suicídio  ioga
dança  natação  cooper  astrologia  patins 
 marxismo  candomblé
boate  gay  ecologia ,
 sobrou só  este nó  no  peito ,
agora  faço  o  que ?
 não é plágio do Pessoa  não , mas  em  cada
canto do meu quarto , tenho uma imagem de Buda ,
  uma de mãe Oxum ,outra de Jesusinho ,
 um pôster  de Freud  ,
às  vezes  acendo vela ,  faço reza , queimo incenso ,
tomo banho de arruda , jogo sal grosso  nos  cantos ...  "
 
 
in , Morango Mofados
 
 

6 comentários:

  1. Bem, você encontrou! Desejo-lhe muito bonita e um Outono muito agradável! Com muita poesia na alma. Meus pensamentos da Romênia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cristian ,
      Agradeço a visita e os bons pensamentos .
      Mas , quero , lembrá-lo , poeta romeno , que no Brasil estamos na primavera . Flores nas ruas e na alma .
      Beijos

      Excluir
  2. Pois é MARISA,

    nosso saudoso, sofrido e competente Caio F.Abreu
    na sua conhecida sofreguidão e atirando para todos os lados,lembrou-me quando era jovem e morava em Copacabana.

    Eu também, "atirava" em todas as mulheres,queria todas que eu pudesse,era um incansável conquistador, nem tão bem sucedido assim!

    Um dia passei pelo cinema Rex e lá estava passando: Todas as mulheres do mundo,interpretado pelo meu xará Paulo José,que interpretava um jornalista que, também vivia "caçando" qualquer mulher que lhe parecesse à frente.

    E neste filme aprendi a viver mais um pouco, pois, na realidade,querendo todas as mulheres do mundo, na verdade procurávamos UMA mulher que nos bastasse!

    Caio F.Abreu em Morango Mofados, não procurava, nem nunca procurou todas as mulheres do mundo, e sim,como tudo e de forma extravagante e em todas as direções,andou buscando a explicação,a paz e o conforto espiritual que nunca teve.

    Se ele ainda estivesse vivo, eu lhe contaria a mesma história que cabo de contar você.

    Ele entenderia!

    Um abração carioca e obrigado por sua generosidade comigo e os meus blogues.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Paulo , já dizia Caio Fernando :
      " escrever significa mexer com funduras , como Clarice , feito Pessoa .
      Ele entenderia , sim , perfeitamente, seu sincero depoimento .
      Obrigada pela visita .
      Abraços paulistas

      Excluir
  3. Cinco letras…
    Cinco pontas de cadente perdida na aurora
    Na loucura de alguns instantes escrevo
    Descalço vou adiante num ir longe, embora

    Solto das mãos murmúrios sussurrantes
    Do basalto explode um bando de pombos bravos, alguns negros
    Há um livro branco apenas com a palavra ausência
    Há uma carta de marear para um rumo de mil segredos

    Flores de solidão crescem em pedaços de fria lava
    Um espantalho saltou-me do bolso a remexer
    Uma sombra desceu a janela e tocou-me
    Cerrei olhos para sentir o que não queria ver

    Boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bela poesia .
      Grata por partilhar .
      Boa semana .

      Excluir